Juiz determina repasse para pagamento de benefícios aos funcionários do transporte coletivo de Londrina

Juiz determina repasse para pagamento de benefícios aos funcionários do transporte coletivo de Londrina

Para pôr fim à paralisação do transporte coletivo urbano em Londrina, o juiz do Trabalho substituto, Carlos Augusto Penteado Conte, determinou que a prefeitura municipal e a CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) repassem às concessionárias responsáveis pelo serviço o montante de  R$1.964.000,00 referente ao valor do PPR (Plano de Participação no Lucro e nos Resultados) e do reajuste do vale-refeição para R$ 300.

O prazo para que isso seja realizado é de 15 dias. Após o recebimento do dinheiro, as empresas receberam o prazo de cinco dias para o repasse aos trabalhadores de transporte coletivo, que estão de braços cruzados desde terça-feira (1). 

A decisão foi à revelia das empresas TCGL (Transportes Coletivos Grande Londrina) e da Londrisul Transportes Coletivos, que tentavam receber o valor total das verbas referentes ao reequilíbrio financeiro referente ao ano de 2021. 

Conte determinou que uma assembleia dos trabalhadores seja concluída ainda na manhã desta quinta-feira (3). A concentração deve ser realizada na porta das garagens das duas empresas por volta das 6h e deve ter início por volta das 7h.  

A reunião foi realizada na sala de audiências da 1ª Vara do Trabalho de Londrina, teve início às 13h e passou de quatro horas de duração. O impasse entre as partes foi a tônica da discussão. 

As empresas afirmam que não receberam o repasse do município e, por este motivo, não há recursos para o pagamento do PPR e vale-alimentação. 

Por outro lado, a Prefeitura alega que não recebeu a documentação dos gastos que foram especificados na planilha e que, sem essa documentação, não poderia realizar os pagamentos solicitados.

De acordo com o presidente do Sinttrol (Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Londrina), José Faleiros, a audiência foi importante. “Não foi aquilo que o sindicato gostaria de levar para a categoria, mas é preciso enaltecer o empenho do poder público para que esse repasse fosse feito aos trabalhadores como antecipação dos estudos de equilíbrio econômico-financeiro das empresas.”

Fonte: Bonde

Publicado por Soluções Transportes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *