Atualização do Índice Global de Segurança Alimentar aponta avanços na acessibilidade aos alimentos

Atualização do Índice Global de Segurança Alimentar aponta avanços na acessibilidade aos alimentos

Resultados da recente atualização trimestral do ajuste de preços do Índice Global de Segurança Alimentar (Global Food Security Index – GFSI) revelam que a acessibilidade econômica aos alimentos melhorou em, aproximadamente, 75% dos países de setembro a novembro de 2014 em grande devido à queda de 2,8% do preço mundial dos alimentos, que atingiu o nível mais baixo em quatro anos.

De acordo com o Índice Global de Segurança Alimentar produzido pelo Economist Intelligence Unit (EIU) e patrocinado pela DuPont, a mais alta produção de milho, trigo e soja de todos os tempos e a queda do preço mundial do petróleo resultaram em perspectivas melhores para a segurança alimentar em 79 dos 109 países presentes no índice. No entanto, o impacto geral do petróleo mais barato sobre os preços para o consumidor local, a estabilidade política e a situação fiscal dos importadores e exportadores de petróleo se definirá apenas nos próximos meses.

“O suprimento e os estoques dos principais grãos estão muito altos, o que vai reduzir ainda mais o preço global em 2015”, disse Leo Abruzzese, diretor mundial de previsões do Economist Intelligence Unit. “A queda de 60% do preço do petróleo bruto desde julho também é uma boa notícia para a segurança alimentar. Durante os últimos 25 anos, os preços dos alimentos e da energia seguiram próximos um do outro, então petróleo mais barato normalmente significa alimentos mais acessíveis.”
Índice Global de Segurança Alimentar: Principais resultados do fator de ajuste dos preços

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (Food and Agricultural Organization – FAO), o preço mundial dos alimentos tem caído desde o final de agosto de 2014, quando atingiu o nível mais baixo em quatro anos. Os preços continuaram a diminuir, registrando outra nova baixa em quatro anos em novembro. Em geral, essa variação nos preços tem tido um impacto positivo sobre a categoria de acessibilidade econômica do GFSI e a segurança alimentar geral para os países presentes no índice.

O GFSI destacou os seguintes cenários:

• Os alimentos se tornaram economicamente mais acessíveis em 79 dos 109 países em função da queda de 2,8% do preço dos alimentos no período de setembro a novembro de 2014. A pontuação na categoria de acessibilidade do GFSI aumentou, em média, 1,3% entre setembro e novembro, enquanto a pontuação de segurança alimentar geral subiu uma média de 0,5%. Israel teve a maior queda nas duas categorias (-6,31% e -2,70%, respectivamente), enquanto Botsuana registrou o maior aumento. Mesmo com a melhora significativa na pontuação, alguns países tiveram alterações no ranking geral do GFSI. Dinamarca e Austrália subiram quatro posições, enquanto Suíça caiu cinco.

• O preço global dos alimentos caiu para todas as commodities, exceto cereais, sendo que leite e açúcar registraram a maior queda, de acordo com a FAO. A queda dos preços de produtos lácteos foi gerada parcialmente por sanções de importação na Rússia que, associadas à alta produção, resultaram na oferta global excedente. Embora o preço global dos cereais tenha subido ligeiramente em novembro depois de registrar o valor mais baixo em quatro anos em setembro e outubro, a maior de produção e o alto estoque de milho, soja e trigo pressionaram os preços para baixo mundialmente.

• A queda do preço do petróleo aumentou a acessibilidade econômica aos alimentos por reduzir os custos de transporte. O aumento no abastecimento de petróleo bruto, a menor demanda e a abordagem de não intervenção da Arábia Saudita resultaram na queda do preço do petróleo, diminuindo os custos de transporte dos alimentos. De fato, o índice de preços dos alimentos da FAO e o preço do petróleo bruto têm mantido uma correlação 0,92 durante os últimos 25 anos. Os impactos secundários da queda do preço do petróleo nas economias nacionais não foram ainda capturados pelo índice, no entanto os efeitos sobre a estabilidade política, o preço local dos alimentos, as rendas e as taxas de câmbio – elementos essenciais para segurança alimentar – nos níveis nacional e global serão capturados no longo prazo pelo GFSI.

• Hungria e Botsuana tiveram a maior elevação na classificação – um ganho de cinco e seis posições, respectivamente – na categoria de acessibilidade econômica aos alimentos desde a última atualização trimestral em agosto. A ascensão da Hungria foi parcialmente resultado da queda dos preços dos frutos e vegetais, impulsionada por um ano de boas colheitas e o impacto do embargo de importação da Rússia. A grande queda do preço do açúcar foi outro fator determinante. O enfraquecimento do rand, moeda sul-africana, que manteve os custos de produção na África do Sul em baixa, e o declínio continuado da inflação foram fatores importantes na queda dos preços dos alimentos em Botsuana, importador de alimentos.

Olhando para o futuro
A Economist Intelligence Unit prevê que os preços das principais culturas continuarão caindo em 2015. O preço médio anual para o milho (US No.3 Yellow Corn, fob Gulf ports) e soja (preço de exportação do US No.2 Yellow Soybeans, fob Gulf ports) deve cair entre 10% a 15% este ano em relação a 2014. A produção mundial de soja atingirá alta recorde histórica em 2014/15, e a previsão é que a produção dos Estados Unidos supere o recorde anterior em mais de 16 milhões de toneladas. A produção mundial de milho também está a caminho de quebrar todos os recordes anteriores assim como a colheita dos Estados Unidos. O preço do trigo (preço de exportação do US Hard Red Winter wheat, fob Gulf) também vai cair este ano, mas com uma queda mais modesta de 7%.

Sobre o GFSI

O Índice Global de Segurança Alimentar avalia a acessibilidade econômica, a disponibilidade, a qualidade e a segurança dos alimentos e sistemas de alimentação em 109 países. O GFSI também fornece informações sobre o impacto das flutuações dos preços globais dos alimentos na segurança alimentar nacional por meio de ajustes trimestrais na pontuação de acessibilidade. O ajuste se baseia, em parte, na variação trimestral dos preços do na cesta de commodities alimentícias da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (Food and Agricultural Organization – FAO) e suas cinco principais medidas.

Sobre o fator de ajuste trimestral do GFSI

As atualizações trimestrais da acessibilidade econômica do Índice Global de Segurança Alimentar (Global Food Security Index – GFSI) destacam a vulnerabilidade dos países em relação ao choque dos preços dos alimentos, especialmente para aqueles nos quais a população já enfrenta desnutrição. Ao incorporar dados e informações globais do Índice de Preços de Alimentos da FAO, a atualização trimestral da EIU se ajusta às variações dos valores globais dos alimentos, aos movimentos nas taxas de câmbio, às rendas nos países e à dependência da importação de cada nação. Isso assegura uma avaliação de alto nível do impacto da variação de preços que pode colaborar ou prejudicar a segurança alimentar do país.

Para visualizar o site Índice Global de Segurança Alimentar 2014 com interação dos resultados do estudo, o modelo subjacente e o relatório da metodologia e das conclusões do estudo, visite http://foodsecurityindex.eiu.com.

Alimento seguro é um direito da sociedade

Matéria da coluna do consumidor da revista da ABNT fala sobre a importância de se produzir e consumir alimentos seguros, dos riscos envolvidos e das principais normas que norteiam a cadeia de produção, manuseio, distribuição e transporte de alimentos.

ABNT NBR 15635:2008 – Serviços de Alimentação – Requisitos de boas práticas higiênico-sanitárias e controles operacionais essenciais.

ABNT NBR ISO 22000:2006 – Sistemas de gestão da segurança de alimentos – Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos

ABNT ISO/TS 22002-1:2012 – Programa de pré-requisitos na segurança de alimentos – Parte 1: Processamento industrial de alimentos.

ABNT NBR ISO 22005:2008 – Rastreabilidade da cadeia produtiva de alimentos e rações – Princípios gerais e requisitos básicos para planejamento e implementação do sistema.

Fonte: Assessoria de Imprensa | Editora Estilo | Baktron

Postado por: Soluções Transportes | www.solucoestransportes.com.br

A Soluções Transportes está presente no mercado há 11 anos. O objetivo da Soluções Transportes é atender de forma satisfatória, os fornecedores de produtos alimentícios que são destinados à Merenda Escolar. Nosso trabalho consiste em distribuir estes produtos em todas as escolas no prazo estipulado em contrato. Atuamos com frota própria de veículos, o que garante rapidez, qualidade e eficiência na distribuição dos Produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *